06/10/2010 - 13:38:36 - MSE
  Rio desenvolverá ações contra a homofobia nas escolas

Diversidade e inclusão
Rio desenvolverá ações contra a homofobia nas escolas
Brasil, 04 de outubro de 2010
Milhares de jovens homossexuais ainda sofrem discriminação nas salas de aula de todo o país. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, no Centro de Formação Adauto Belarmino, na Central do Brasil, Centro, durante a apresentação da pesquisa Escola sem Homofobia. O resultado do estudo, realizado com o apoio das secretarias estaduais de Educação e de Assistência Social e Direitos Humanos, servirá de base para a criação de um pacote de medidas para combater à homofobia no Estado do Rio de Janeiro.

Na maioria dos casos que envolvem preconceito a estudantes homossexuais, a intolerância vem acompanhada de agressões verbais e físicas. O fim da violência escolar e do preconceito referente à orientação sexual e à identidade de gênero está na lista de prioridades do governo. De acordo com a subsecretária de Educação, Delânia Cavalcante, a ideia é estimular a diversidade na rede de ensino. Para isso, a pasta desenvolveu uma coordenação que propõe políticas para o público LGBT - lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais - presente nas escolas.

A pesquisa Homofobia nas Escolas, reivindicada pela sociedade civil organizada na I Conferência Nacional LGBT, foi desenvolvida pelo Ministério da Educação. A instituição Reprolatina - Soluções Inovadoras em Saúde Sexual e Reprodutiva foi responsável pela execução do projeto, que contou com o patrocínio da Pathfinder do Brasil, ECOS e ABGLT. No Estado do Rio, o estudo foi realizado com o apoio do governo estadual.

Durante os dois anos de elaboração do projeto, foram realizados cinco seminários e elaborados kits educativos sobre o tema. Antes do início do trabalho de campo, que durou de 8 a 12 de março, os pesquisadores fizeram visitas preparatórias no dia 4 de fevereiro. A pesquisa coletou informações de 138 funcionários da rede pública e alunos do 6° ao 9° ano do Ensino Fundamental. O ambiente escolar, a política de educação sexual e diversidade sexual foram algumas das questões levantadas pela pesquisa.

Cartazes sobre o tema nas escolas

Em relação ao ambiente escolar, o Rio foi a única cidade que apresentou em suas quatro escolas analisadas cartazes informativos sobre o tema sexualidade. A política de educação sexual, que inclui a criação de uma coordenação de diversidade e capacitações, também foi aprovada pelos analistas. Um dos fatores negativos encontrado foi que as escolas, muitas vezes, têm receio da reação das famílias de seus alunos quando o assunto é orientação sexual. Por isso, não aprofundam o tema da homossexualidade em sala de aula.

No estado, os dados do estudo qualitativo sobre homofobia em colégios de 11 capitais brasileiras serão incluídos no Rio Sem Homofobia. O programa apoia projetos de fortalecimento de instituições públicas e não -governamentais que atuam na promoção da cidadania LGBT e no combate à homofobia. Para o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Ricardo Henriques, o diagnóstico será fundamental na formulação de um plano de prevenção mais eficaz contra a discriminação.
Fonte: Terra
Link:
Diversidade e inclusão
Rio desenvolverá ações contra a homofobia nas escolas
Brasil, 04 de outubro de 2010
Milhares de jovens homossexuais ainda sofrem discriminação nas salas de aula de todo o país. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, no Centro de Formação Adauto Belarmino, na Central do Brasil, Centro, durante a apresentação da pesquisa Escola sem Homofobia. O resultado do estudo, realizado com o apoio das secretarias estaduais de Educação e de Assistência Social e Direitos Humanos, servirá de base para a criação de um pacote de medidas para combater à homofobia no Estado do Rio de Janeiro.

Na maioria dos casos que envolvem preconceito a estudantes homossexuais, a intolerância vem acompanhada de agressões verbais e físicas. O fim da violência escolar e do preconceito referente à orientação sexual e à identidade de gênero está na lista de prioridades do governo. De acordo com a subsecretária de Educação, Delânia Cavalcante, a ideia é estimular a diversidade na rede de ensino. Para isso, a pasta desenvolveu uma coordenação que propõe políticas para o público LGBT - lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais - presente nas escolas.

A pesquisa Homofobia nas Escolas, reivindicada pela sociedade civil organizada na I Conferência Nacional LGBT, foi desenvolvida pelo Ministério da Educação. A instituição Reprolatina - Soluções Inovadoras em Saúde Sexual e Reprodutiva foi responsável pela execução do projeto, que contou com o patrocínio da Pathfinder do Brasil, ECOS e ABGLT. No Estado do Rio, o estudo foi realizado com o apoio do governo estadual.

Durante os dois anos de elaboração do projeto, foram realizados cinco seminários e elaborados kits educativos sobre o tema. Antes do início do trabalho de campo, que durou de 8 a 12 de março, os pesquisadores fizeram visitas preparatórias no dia 4 de fevereiro. A pesquisa coletou informações de 138 funcionários da rede pública e alunos do 6° ao 9° ano do Ensino Fundamental. O ambiente escolar, a política de educação sexual e diversidade sexual foram algumas das questões levantadas pela pesquisa.

Cartazes sobre o tema nas escolas

Em relação ao ambiente escolar, o Rio foi a única cidade que apresentou em suas quatro escolas analisadas cartazes informativos sobre o tema sexualidade. A política de educação sexual, que inclui a criação de uma coordenação de diversidade e capacitações, também foi aprovada pelos analistas. Um dos fatores negativos encontrado foi que as escolas, muitas vezes, têm receio da reação das famílias de seus alunos quando o assunto é orientação sexual. Por isso, não aprofundam o tema da homossexualidade em sala de aula.

No estado, os dados do estudo qualitativo sobre homofobia em colégios de 11 capitais brasileiras serão incluídos no Rio Sem Homofobia. O programa apoia projetos de fortalecimento de instituições públicas e não -governamentais que atuam na promoção da cidadania LGBT e no combate à homofobia. Para o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Ricardo Henriques, o diagnóstico será fundamental na formulação de um plano de prevenção mais eficaz contra a discriminação.
Fonte: Terra
Link:

Milhares de jovens homossexuais ainda sofrem discriminação nas salas de aula de todo o país. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, no Centro de Formação Adauto Belarmino, na Central do Brasil, Centro, durante a apresentação da pesquisa Escola sem Homofobia. O resultado do estudo, realizado com o apoio das secretarias estaduais de Educação e de Assistência Social e Direitos Humanos, servirá de base para a criação de um pacote de medidas para combater à homofobia no Estado do Rio de Janeiro.

Na maioria dos casos que envolvem preconceito a estudantes homossexuais, a intolerância vem acompanhada de agressões verbais e físicas. O fim da violência escolar e do preconceito referente à orientação sexual e à identidade de gênero está na lista de prioridades do governo. De acordo com a subsecretária de Educação, Delânia Cavalcante, a ideia é estimular a diversidade na rede de ensino. Para isso, a pasta desenvolveu uma coordenação que propõe políticas para o público LGBT - lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais - presente nas escolas.

A pesquisa Homofobia nas Escolas, reivindicada pela sociedade civil organizada na I Conferência Nacional LGBT, foi desenvolvida pelo Ministério da Educação. A instituição Reprolatina - Soluções Inovadoras em Saúde Sexual e Reprodutiva foi responsável pela execução do projeto, que contou com o patrocínio da Pathfinder do Brasil, ECOS e ABGLT. No Estado do Rio, o estudo foi realizado com o apoio do governo estadual.

Durante os dois anos de elaboração do projeto, foram realizados cinco seminários e elaborados kits educativos sobre o tema. Antes do início do trabalho de campo, que durou de 8 a 12 de março, os pesquisadores fizeram visitas preparatórias no dia 4 de fevereiro. A pesquisa coletou informações de 138 funcionários da rede pública e alunos do 6° ao 9° ano do Ensino Fundamental. O ambiente escolar, a política de educação sexual e diversidade sexual foram algumas das questões levantadas pela pesquisa.

Cartazes sobre o tema nas escolas

Em relação ao ambiente escolar, o Rio foi a única cidade que apresentou em suas quatro escolas analisadas cartazes informativos sobre o tema sexualidade. A política de educação sexual, que inclui a criação de uma coordenação de diversidade e capacitações, também foi aprovada pelos analistas. Um dos fatores negativos encontrado foi que as escolas, muitas vezes, têm receio da reação das famílias de seus alunos quando o assunto é orientação sexual. Por isso, não aprofundam o tema da homossexualidade em sala de aula.

No estado, os dados do estudo qualitativo sobre homofobia em colégios de 11 capitais brasileiras serão incluídos no Rio Sem Homofobia. O programa apoia projetos de fortalecimento de instituições públicas e não -governamentais que atuam na promoção da cidadania LGBT e no combate à homofobia. Para o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Ricardo Henriques, o diagnóstico será fundamental na formulação de um plano de prevenção mais eficaz contra a discriminação.

Fonte: Terra
Brasil, 04 de outubro de 2010





Voltar